Geral

Mesmo com decisão judicial, comerciantes de Lajeado e Estrela prometem abrir as portas nesta segunda

Segundo a Rádio Independente, não concordando com a decisão judicial que suspende provisoriamente o retorno de cogestão no Rio Grande do Sul, que permitiria a retomada das atividades do comércio não essencial, um grupo de comerciantes de Lajeado e Estrela se uniu e promete abrir as portas nesta segunda-feira (22).

O movimento iniciou em grupos de WhatsApp. Em Lajeado, conforme um dos organizadores, o lojista Romulo Xavier Vier, mais de 480 estabelecimentos devem atender nesta segunda, mas o número pode chegar a 700. Ele argumenta que estão tranquilos com a decisão. “E dormiremos muito tranquilos porque somos zero fator de transmissão. Estamos corrigindo uma grande injustiça e canalhice, pois somos essenciais porque sobrevivemos e abastecemos nossas famílias com o trabalho do dia a dia”, diz.

O mesmo deve ocorrer em Estrela. Por lá, cerca de 83 serviços devem abrir suas portas, incluindo floriculturas e salões de beleza. A comerciante Deisi Bohm, conta que o grupo não tem mais condições de pagar as despesas de seus estabelecimentos. “Consideramos essencial tudo que gera renda. Não temos mais condições de manter nossas portas fechadas pois tem folha de pagamento, aluguel, impostos, água, luz, telefone. Não temos mais caixa para manter portas fechadas”, relata.

Em ambos os municípios as empresas devem abrir a partir das 8h. Em Lajeado, além de lojas, bares, restaurantes, gráficas e salões de beleza também prometem voltar com suas atividades presenciais.

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Valorize o investimento na reportagem e jornalismo. Cópia somente com citação de fonte.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios