Notícias

Cenário indefinido: após decisão judicial cogestão é cancelada e Veranópolis segue com regramentos de bandeira preta

Situação deve ter desdobramentos no final de semana, com possíveis mudanças, por isso, o cenário está indefinido

O governo do RS, na sexta-feira, dia 19 de março, havia delimitado novas medidas para conter o avanço da covid-19. Entre os regramentos estava a volta da cogestão, que da autonomia de decisão às regiões, a partir do dia 22 de março, segunda-feira. Porém, logo após o anúncio, o juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública do Foro Central de Porto Alegre, suspendeu essas medidas. Assim, enquanto a liminar vigorar, todo o RS deverá seguir em bandeira preta. O governo estadual poderá recorrer da decisão.

Diante disso, o cenário que se impõe é de indefinição, visto que, novos desdobramentos, como a derrubada da medida, ou sua manutenção, serão divulgados ao longo das próximas horas. Esse contexto de incerteza também permeia Veranópolis, município que como os demais, depende da orientação do estado para a adoção de condutas. Em suma, o que se coloca como verdade no momento é que os regramentos da próxima semana seguirão como os implementados nesta, contudo, a situação pode mudar a qualquer momento.

– Fica tudo igual as semanas anteriores, então vamos aguardar, provavelmente é uma decisão que vai ter desdobramentos jurídicos durante o final de semana, então o que nos resta é aguardar […] uma outra decisão, se houver- afirma Waldemar de Carli, prefeito de Veranópolis.

Mesmo assim, a AMESNE, associação dos municípios da Serra Gaúcha, trabalha no novo modelo de cogestão, para que caso ocorra o retorno de sua permissão, ele possa ser aplicado.

Studio TV conversou com o prefeito de Veranópolis sobre a situação

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo

Valorize o investimento na reportagem e jornalismo. Cópia somente com citação de fonte.

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios