Polícia Civil do RS prende seis suspeitos de estelionato em operação de compra e venda de veículos nos estados de MT, AC e RO

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul, através da DRACO – Delegacia de Repressão as Ações Criminosas Organizadas de Santa Maria/RS, desencadeou nesta quarta-feira, 27 de setembro, a Operação FALSUS MEDIUS, onde foram cumpridas 20 ordens judiciais, sendo 12 Mandados de Busca e Apreensão e 8 Mandados de Prisão Preventiva, nos Estados de Mato Grosso, Acre e Rondônia, respectivamente, nas cidades de Cuiabá, Rondonópolis, Rio Branco e Porto Velho.

Foram presas, por ora, 6 pessoas, sendo 2 homens com idades de 27 e 21 anos e 4 mulheres com 46, 43, 28 e 22 anos de idade. Os presos foram localizados nos Bairros São João Del Rey e Tijucal na cidade de Cuiabá/MT, nos Bairros Centro e Jardim Liberdade na cidade de Rondonópolis/MT, no Bairro de João Eduardo na cidade de Rio Branco/AC e no Bairro Olaria na cidade de Porto Velho/RO.

Ainda, cumpriram-se 12 (doze) mandados de busca e apreensão nos Bairros Chácara dos Pinheiros, Jardim Gramado, Porto, São João Del Rey e Jardim dos Ipês na cidade de Cuiabá/MT, nos Bairros Jardim Dom Bosco, Jardim Brasília e Jardim Tropical na cidade de Rondonópolis/MT, no Bairro de João Eduardo na cidade de Rio Branco/AC e no Bairro Olaria na cidade de Porto Velho/RO e foram apreendidos 3 telefones celulares, 1 cartão bancários e R$ 1.000,00 (um mil reais). Além disso, foi representado pelo bloqueio de valores, cuja efetivação da medida ainda não foi concluída.

A investigação refere-se ao crime de estelionato na modalidade de “falso intermediário”, onde os golpistas a partir de informações verdadeiras, criam anúncios falsos de venda de veículos, geralmente com valor abaixo do mercado e fazem a publicação no site OLX e/ou na rede social FACEBOOK. Depois disso, as vítimas entram em contato com os golpistas para negociarem a compra e venda do carro anunciado e passam a realizar as tratativas. Contudo, antes disso, os golpistas entraram em contato com o anunciante verdadeiro e simularam o interesse na compra do automóvel, obtendo outras informações e dados, mas dizem que o bem será usado como pagamento de uma dívida com algum familiar e, assim, passam a intermediar a negociação, sem que o vendedor (vítima 01) e o provável comprador (vítima 02) se comuniquem. Quando o negócio está prestes a ser fechado, o golpista pede para o vendedor mostrar o automóvel para o interessado em um local público e convence ambos para que não troquem qualquer informação, inclusive sobre o preço. Após, a vítima confirmando seu interesse no bem, faz o pagamento por transferência ou por PIX para uma conta bancária indicada pelo golpista e o crime se consuma. A essa altura, vítima 01 e vítima 02 acabam percebendo que caíram em um golpe, pois essa fez o pagamento, mas aquela se recusa a entregar o carro, pois não recebeu nenhum valor.

As vítimas em questão nestas investigações, possuem 35 e 26 anos de idade e tiveram um prejuízo aproximado de R$ 100.000,00 (cem mil reais). As datas do fato foram em 06/10/2021 e 04/02/2022, quando foram realizados os pagamentos. Foram aproximadamente 02 (dois) anos de investigações pela DRACO/Santa Maria, em razão das diversas quebras de sigilos de dados e bancários solicitados.

A ação contou com 15 policiais civis do Rio Grande do Sul, 27 de Cuiabá/MT, 13 de Rondonópolis/MT, 5 de Rio Branco/AC e 5 de Porto Velho/RO com o apoio logístico e operacional da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), do Ministério da Justiça e Segurança Pública, através do Projeto M.O.S.A.I.C.O., viabilizando o trabalho integrado entre as Polícias Civis dos Estados do Rio Grande do Sul, Mato Grosso – DRE e Delegacia de Estelionatos de Cuiabá, Delegacia de Polícia de Rondonópolis, Acre – DRACO de Rio Branco e Rondônia – DRACO de Porto

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo