Mulher é condenada por injúria racial praticada em restaurante, durante o passeio de colaboradores da empresa

Menos de um mês do Dia da Consciência Negra, em 20/11, movimento que recorda as lutas dos negros pelo fim da opressão e da escravidão, uma nova condenação criminal por injúria racial transitou em julgado, em 23/10, não cabendo mais recurso.

O crime ocorreu em janeiro do ano passado em restaurante na Região Noroeste do Estado, durante o passeio de colaboradores de uma empresa.  Ao ser apresentada à vítima, estagiária da empresa,  a ré, de 66 anos á época dos fatos, teria dito, conforme a denúncia da acusação: “que tu está fazendo aqui? Tu parece haitiana, tu é muito pretinha…”.

Em 1º grau, a mulher foi condenada a pena de 1 ano e 2 meses de reclusão, substituída por prestação pecuniária no valor de um salário mínimo e prestação de serviços à comunidade, além de multa. Após iniciar a execução criminal, em caso de descumprimento, a ré poderá ter a pena convertida em prisão. A ré recorreu ao 2º grau e, por unanimidade, a 1ª Câmara Criminal, do TJRS manteve a condenação.

No recurso de apelação, a defesa da réu alegou que ela fez o comentário em contexto de curiosidade, “que beirou, no máximo, uma indiscrição, a fim de buscar a origem da vítima”. Diz ainda que a recusa ao benefício da suspensão do processo deve-se ao fato de a ré ter convicção de que não praticou qualquer fato com intento preconceituoso ou racista.

Durante audiência, a vítima disse que entrou “em choque” no momento em que a ré fez o comentário. Segundo ela, a mulher teria usado tom pejorativo. Disse ainda que havia várias pessoas no local que presenciaram a situação. Após os fatos, a vítima pediu desligamento da empresa.

O relator do recurso, Desembargador José Conrado Kurtz de Souza, afirmou que da análise dos depoimentos colhidos não se sustenta a versão defensiva. Pontuou ainda que na delegacia a ré referiu ter dito “essa moreninha, parece que veio do Haiti”, enquanto que em depoimento no juízo alegou ter comentado “pensei que ela era haitiana”. Assim, conforme o Desembargador, a versão em juízo perdeu a credibilidade. Para ele, a fala demonstrou a intenção consciente e deliberada de ofender a vítima na sua dignidade.

“Mesmo com todas as eventuais aberturas semânticas que se fizessem possíveis, é inequivocamente ofensiva à honra em um contexto sócio-histórico e jurídico, estando clara a intenção da agente de ofender a honra da ofendida (vítima). A ofendida disse, ainda, que a ré utilizou tom pejorativo em sua fala, que deu a entender que a vítima não poderia estar ali ou que ali não era o seu lugar, devido a sua raça e cor de pele”, afirmou o relator.

Injúria racial  

A injúria racial ocorre quando a honra de uma pessoa específica é ofendida por conta de raça, cor, etnia, religião ou origem. Diferente do racismo, que ocorre quando o agressor atinge um grupo ou coletivo de pessoas, discriminando de forma geral. A partir de janeiro de 2023, após a entrada em vigor de um novo regramento que alterou a Lei do Crime Racial, a injúria racial passou a ser considerada uma modalidade do racismo. Com isso, a injúria racial tornou-se também imprescritível e inafiançável.

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Podemos exibir anúncios para você?

Parece que você está usando um bloqueador. A exibição de conteúdo publicitário contribui para fazer a informação chegar a você, de forma fácil e gratuita. Por favor, libere a exibição de anúncios para liberar a visualização da notícia.