La Niña pode mudar ligeiramente regime de chuvas no RS

O fenômeno La Niña pode influenciar o clima no Rio Grande do Sul nos próximos meses, alterando ligeiramente o regime de chuvas em algumas regiões do Estado.

É o que aponta o Boletim do Conselho Permanente de Agrometeorologia Aplicada do Estado do Rio Grande do Sul (Copaaergs) para os meses de agosto, setembro e outubro de 2022.

As previsões apresentadas para o trimestre são baseadas no modelo do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

O prognóstico climático para o mês de agosto indica chuvas dentro da média, ou ligeiramente abaixo, do Centro para o Sul do Estado. No Nordeste e Litoral Norte, os valores ficam acima da média.

Para setembro, a tendência é de que as chuvas fiquem acima da média, especialmente no Norte do Estado.

Em contrapartida, para o mês de outubro, os prognósticos indicam chuvas abaixo da média em todas as regiões.

Em agosto e outubro, as temperaturas do ar estarão próximas da média, sendo que em setembro os desvios de temperatura devem ficar abaixo da média.

Há risco de ocorrência de geadas em agosto e também de geadas tardias entre setembro e outubro, em função da presença do fenômeno La Niña.

O boletim do Conselho é elaborado a cada três meses por especialistas em Agrometeorologia de 14 entidades públicas estaduais e federais ligadas à agricultura ou ao clima.

O documento também lista uma série de orientações técnicas para as culturas do período.

Culturas de inverno

  • Promover práticas de manejo visando a adubação de cobertura, controle de pragas, doenças e plantas daninhas;
  • Realizar a adubação com nitrogênio em cobertura somente quando houver boas condições de umidade no solo e consultar a previsão de tempo para evitar a aplicação antes de precipitações intensas, de modo a reduzir perdas por lixiviação;
  • Atenção especial à ocorrência de doenças fúngicas de espigas nos cereais de inverno especialmente no mês de setembro em função do prognóstico de chuvas acima da média.

Receba as principais notícias no seu WhatsApp

Arroz

  • Os produtores devem ficar atentos para questão da captação e armazenamento de água para próxima safra considerando a continuidade do fenômeno La Ninã;
  • Dentro do possível, dar continuidade à adequação das áreas destinadas à lavoura na próxima safra, principalmente às atividades de preparo e sistematização do solo e drenagem, para possibilitar a semeadura na época recomendada pelo zoneamento agrícola;
  • Para semeaduras “do cedo”, entre o mês de setembro até meados de outubro, quando a temperatura do solo for baixa, atentar para que a profundidade da semeadura não seja superior a dois centímetros, a fim de evitar redução no estande de plantas e a consequente desuniformidade no estabelecimento inicial da cultura;
  • Atentar para manutenção da drenagem após a emergência das plantas, para evitar prejuízos no estabelecimento inicial em função do prognóstico de chuvas acima da média no mês de setembro.

Culturas de primavera-verão

  • Fazer o manejo de culturas de inverno destinadas à proteção do solo;
  • Iniciar a semeadura quando a temperatura do solo, a 5 cm de profundidade, estiver entre 16° e 18°C, respeitando o zoneamento agrícola;
  • Escalonar a época de semeadura e utilizar cultivares de diferentes ciclos;
  • Para a cultura do milho, caso sejam planejadas duas safras, deve-se antecipar o máximo possível a semeadura, respeitando-se o zoneamento agrícola.

Hortaliças

  • O prognóstico de precipitações acima da média no mês de setembro requer atenção à necessidade de monitoramento de doenças, principalmente daquelas favorecidas pelo molhamento da parte aérea ou excesso de umidade no ar ou no solo. Para as previsões nos meses de agosto e especialmente outubro, que apontam para chuvas um pouco abaixo da média, recomenda-se manejo de irrigação a fim de evitar déficits hídricos nos cultivos;
  • Considerando o prognóstico de temperaturas abaixo da média no mês de setembro, atentar para a manutenção das condições térmicas em ambientes protegidos nos períodos mais frios.

Fruticultura

  • Preservar a cobertura verde nos pomares seja por meio de espécies cultivadas ou espontâneas, para conservação das propriedades do solo e armazenamento de água;
  • Em cultivos protegidos, para melhorar a disponibilidade de radiação solar, realizar a limpeza do plástico da cobertura;
  • Em função do baixo acúmulo de frio no mês de julho, ajustar a aplicação de produtos químicos para a quebra de dormência das espécies e cultivares mais exigentes em frio;
  • Considerando a situação de brotação e floração antecipadas, e o risco de ocorrência de geadas tardias, especialmente no mês de setembro, recomenda-se revisão e adequação dos sistemas de combate para pronto uso quando houver previsão de formação de geadas;
  • Em função do prognostico de chuvas acima da média e temperaturas abaixo da média no mês de setembro intensificar ações que promovam adequada polinização em pomaceas e kiwizeiros;
  • Com a antecipação da brotação e os prognósticos de chuvas acima da média em agosto na metade norte e em setembro em todo Estado, recomenda-se atenção especial ao controle fitossanitário;
  • Na implantação de pomares dar preferência a encostas com exposição norte e sem barreiras abaixo do pomar, para facilitar o escoamento do ar frio e minimizar os riscos de dano por geadas.

Silvicultura

  • Para povoamentos florestais, recomenda-se para áreas de ocorrência de geada o plantio de espécies de eucalipto (Eucalyptus viminalisEucalyptus dunnii e Eucalyptus benthamii);
  • Para viveiros, recomenda-se a utilização de coberturas plásticas que proporcionem condições microclimáticas adequadas para as mudas florestais em épocas frias, bem como a aplicação de água por aspersão nas mudas durante a noite, como método de combate à geada, quando houver previsão de formação de geadas.

Pastagens

  • Tendo em vista o baixo crescimento das pastagens no período de outono-inverno, recomenda-se manter número reduzido de animais na área;
  • A presença de áreas protegidas para os animais reduz a velocidade do vento e consequentemente as perdas de energia dos animais provocadas pelo frio;
  • Os campos grossos, como chirca ou capim-capinha, que já cumpriram a função de abrigo das espécies nativas no período do frio, podem ser roçadas para facilitar o rebrote do campo nativo;
  • O diferimento de pastagens realizado em setembro auxilia na ressemeadura das espécies de inverno e fornece pasto para as vacas que irão parir;
  • Fornecer suplemento aos animais (ex. feno, silagem, ração) mantidos em pastagem natural com baixa disponibilidade de forragem;
  • Realizar o manejo indicado para as forrageiras de inverno, anuais ou perenes;
  • Realizar adubação nitrogenada em cobertura nas gramíneas cultivadas de inverno.

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Alert: Conteúdo Protegido

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios