GeralNotícias

Novembro é marcado por queda nas vendas do comércio veranense

Comerciantes alegam queda de 30% a 70% no faturamento, prefeitura contraria

Nos últimos dois anos, em função da pandemia, o comércio local sofreu grandes prejuízos em suas atividades, em função da paralisação dos atendimentos a partir dos decretos ao longo do período de calamidade. Em 2021, a partir do sistema de monitoramento do distanciamento controlado, modelo que substituiu o mapa das bandeiras das regiões durante a pandemia, uma flexibilização foi percebida na região da Serra Gaúcha, especialmente no comércio.

Veranópolis sempre manteve uma parceria próxima com os comerciantes, auxiliando durante o período desafiador. Em agosto deste ano, porém, outra adversidade foi posta aos lojistas, em especial aos que possuem seus estabelecimentos na principal rua de acesso ao município: a obra de revitalização da Júlio de Castilhos. Desde então, significativas perdas nos lucros foram percebidas e muitas solicitações são feitas ao poder público para amenizar a situação.

Veja também | Obras na Júlio serão paralisadas na semana do Natal

Na última semana, comerciantes da Júlio formaram uma comissão e buscaram a Câmara de Vereadores para entregar reivindicações para auxílio ao comércio local. Conforme o presidente do Legislativo, Cristiano Valduga Dal Pai, eles apontam que tiveram perdas consideráveis nos últimos meses, com diminuição de 30% a 70% nas vendas dos estabelecimentos. Dessa forma, pedem que as obras da avenida sejam paralisadas no período de Natal, e solicitam um auxílio fiscal. A partir de agora, a comissão formalizará esses pedidos e enviará a Câmara, que negociará com o Executivo as medidas solicitadas.

Dados contrariam

Em entrevista à Rádio Studio, o prefeito de Veranópolis, Waldemar De Carli, revelou que a pasta das finanças realizou um levantamento do faturamento das lojas localizadas na quadra que recebe as obras, a partir da emissão de notas fiscais. Os dados apurados revelaram que, no mês de outubro, não houve queda no faturamento na maioria das lojas e farmácias. Em comparação a outubro de 2020, em meio a pandemia da covid-19, a arrecadação inclusive aumentou.

Outro ponto levantado pelo prefeito foi a queda das vendas no mês de novembro, realidade que foi refletida em todo o comércio municipal, não apenas nos da avenida principal. “Questione as vendas dos lojistas na Marechal Deodoro. Lá foi igual, vendas muito baixas, e lá não tem obra. Claro que tem prejuízo, mas não é aquilo que se imaginava”, ressalta. A queda no mês chega a cerca de 50% de redução.

As farmácias da avenida, por exemplo, tiveram menos de 20% de redução nas vendas, enquanto outras lojas chegaram no máximo a 40%. A única exceção está no mercado localizado na quadra, que teve uma queda de 70% nas vendas. “Tem que parar de chorar e continuar sendo criativo, buscando outras maneiras de venda, seja online, por lives, até a obra terminar”, pontua.

Ainda, o chefe do executivo relata que não foi procurado por nenhum comerciante para negociar melhorias e auxílios, e que, por isso, não consegue adivinhar a real situação dos lojistas. “Eu gostaria que os comerciantes me apresentassem o faturamento do mês que relatam queda lá na prefeitura para a gente ver (…) eles tem que me procurar e a gente pode estudar alguma coisa. Minha secretária está participando das intermediações, mas os moradores e lojistas nunca foram no meu gabinete conversar”, explica.

A previsão é que as obras sigam ocorrendo normalmente, porém, paralise na semana do dia 23 de dezembro, quando serão retirados os tapumes da avenida e liberado o trânsito dos pedestres.

Entrevista tratou sobre o tema

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. No momento em que o atual Prefeito não teve nenhum concorrente. A oposição deu passe livre para ele das respostas como esta. Agora uma coisa concordo com ele. reclamar é fácil. Na hora do fecha tudo, fica em casa, muitos não estavam nem ai. Esta obra já estava sendo preparada há uns dois anos, tiveram várias reuniões, foram apresentados os cronogramas, e finalmente esta em fase de execução. O pessoal achou o que? Que seria tudo uma maravilha em duas semanas tudo pronto? E para quem mora ali também não estão tendo transtornos? Claro que sim. Chorar é fácil. E como dizem o choro é livre. Quem tiver uma visão melhor para a cidade com ideias novas, diferente dos atuais que se apresente nas próximas eleições e seja candidato. Eu não votei no Waldemar nas últimas eleições, discordo de muitas decisões e decretos desta administração. Mas volto a dizer sem oposição todos deram o aval. Auxílio fiscal o pessoal tem que pedir para o Governo Estadual, este sim suga e não dá nada em troca, só aumento de impostos e medidas autoritárias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Alert: Conteúdo Protegido

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios