Geral

Correção do FGTS vai mesmo acontecer? Saiba como entrar com ação

A revisão da correção monetária do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) está aguardando a decisão do Supremo Tribunal Federal. Milhões de trabalhadores ainda não entraram com o pedido da correção do FGTS.

O valor médio da correção do FGTS é próximo a R$ 10 mil por trabalhador. Com isso, a quantia acumulada em cálculos é de quase R$1 bilhão. Todos os trabalhadores que possuem algum saldo no Fundo de Garantia a partir de 1999 podem ter direito a revisão.

Atualmente, a correção do FGTS vigente utiliza a TR (taxa referencial de juros) como indexador. Porém, essa taxa não é capaz de alcançar a inflação no decorrer dos anos, deixando o rendimento do Fundo de Garantia com perda de patrimônio para o cidadão.

O TR já foi considerado inconstitucional em outras ocasiões, como na correção monetária de precatórios e de dívidas trabalhistas. Sendo assim, todos que trabalharam entre 1999 até hoje podem pedir a correção do FGTS.

A ação é válida, até mesmo, para quem já tenha sacado valores do Fundo de Garantia. Porém, não há certeza se haverão ganhos monetários. Dessa maneira, é interessante fazer os cálculos, sendo que a correção será maior para quem:

Para descobrir o valor exato da Revisão do FGTS é necessário ter os extratos do Fundo de Garantia de todas as contas. Isso porque, cada trabalhador possui uma nova conta a cada novo empregador

Os extratos podem ser obtidos pelo aplicativo CAIXA FGTS. Na plataforma é possível consultar e baixar os documentos no formato PDF. Com, essas informações e sabendo que a correção será vantajosa é necessário entrar com o pedido de revisão.

O pedido, na maioria dos casos, pode ser feito através do Juizado Especial Federal. Sendo assim, não é necessário constituir um advogado. Nesta modalidade, o cidadão pode entrar com o pedido pela internet até o limite de 60 salários mínimos.

Porém, nos casos de valores maiores, o caminho deve ser a Justiça com o auxílio de um advogado. A recomendação é fazer o pedido o quanto antes, já que o STF pode decidir que, apenas quem já tiver um pedido em andamento na justiça poderá ser contemplado.

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Alert: Conteúdo Protegido

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios