Policial

Pais e filho são presos por fazerem mulher de escrava no RS; ela ficava até 15 horas sem comer

Segundo a Agência GBC, a Delegacia de Polícia de Esteio deflagrou nesta terça-feira (22) a Operação Alforria. Os alvos eram um casal e o filho deles que faziam uma mulher de 51 anos de escrava e a mantinham em cárcere privado no bairro Barreira.

O fato chegou até a Polícia Civil após uma denúncia anônima. De acordo com a delegada Luciane Bertoletti, que investigou o caso, o denunciante relatou que a vítima – portadora de necessidades especiais – era mantida por um casal em cárcere privado e submetida a todo o tipo de violência. O crime já perdurava há, pelo menos, cinco anos.

Os investigadores descobriram que os acusados eram vizinhos da vítima. Eles venderam a casa que ela residia e pegaram o seu cartão de benefício previdenciário. Em seguida, começaram as crueldades. Se arrastando, a mulher tinha que trabalhar o dia inteiro e era mantida, por mais de 15 horas, sem comida e bebida. Ela só ganhava caso concluísse todas as tarefas. Além disso, era proibida de utilizar o banheiro antes de terminar seus afazeres. Por causa disso, a vítima teve uma grave infecção, já que acabava urinando nas roupas.

Se já não bastasse a escravidão, os policiais descobriram que um adolescente de 16 anos, filho do casal, começou a estuprar a vítima. Os pais sabiam de tudo e ainda faziam a mulher usar cocaína. “As condições em que a vítima foi encontrada denotam a crueldade dos crimes praticados pelo casal”, relata a delegada.

O delegado regional Mario Souza, titular da 2ª Delegacia de Polícia Regional Metropolitana (2ª DPRM), ressalta que “foi uma situação terrível criminosa, a pessoa deficiente estava em uma situação de muito sofrimento”. Por causa da Lei de Abuso de Autoridade, o nome dos envolvidos e da vítima, não foram divulgados.

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Alert: Conteúdo Protegido

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios