Notícias

Secretária de Educação de Veranópolis fala sobre a instabilidade no retorno às aulas presenciais

"Se precisa olhar para a educação com a importância que ela merece", pontua

O retorno às aulas presenciais está no centro do debate nos últimos dias. Em meio a conflitos entre o Governo Estadual e o Poder Judiciário, uma situação de “abre e fecha” das escolas foi imposta no RS. Não estando aquém a realidade, Veranópolis encontra-se nesse cenário de instabilidade, realizando o retorno presencial na segunda-feira, dia 27 de abril, e necessitando suspender a volta nesta terça, 28. O fato é visto com pesar pela Secretaria de Educação, que reforça o desgaste que a situação causou para a comunidade escolar.

Fato foi tema de entrevista na Studio, que contou com a presença da secretária de Educação Izabel Cristina Durli Menin. Ela reforça, em sua fala, a complexidade que envolve o retorno às atividades presenciais, visto que a volta perpassa pelo planejamento de merenda, transportes, EPI’s e distanciamento. A mudança brusca de protocolos causou um “desgaste desnecessário”, como afirma, na estrutura de logística instaurada.

– Se gerou um desgaste tão desnecessário e se gerou uma situação tão desagradável que eu acredito que a gente precisa repensar algumas questões em relação a educação, se precisa pensar qual a dinâmica e olhar a educação com a importância que ela merece. A educação […] precisa acontecer de uma forma digna. Se eu estou reativando a educação eu preciso dar condições para que a gente também se restabeleça e faça com que essa dinâmica aconteça de uma forma não tão brusca. O sentimento que eu tenho enquanto gestora é que estamos em meio a um campo de forças jogados para lá e para cá – afirma a secretária sobre a situação vivenciada nos últimos dias.

Diante da instabilidade, o município organizou-se de uma nova forma. Todas as questões que sejam referentes a volta às aulas, a partir de agora, serão anunciadas sempre na quarta-feira de todas as semanas, através de nota informativa nas mídias. Essa conduta visa preservar a organização e o melhor desenrolar das atividades escolares no município.

Além disso, outra solução, esta no âmbito pedagógico, está sendo estruturada pela Secretaria, visto que, apesar do esforço e desenvolvimento de trabalhos por parte dos educadores, é notável que lacunas de aprendizagem estão colocadas diante dos alunos, principalmente para aqueles que estão em fase alfabetização.

Pensando nisso e objetivando mitigar os danos causados por essa situação, a Secretaria de Educação do município organiza um projeto de expansão de reforço escolar. Em linhas gerais, em cada escola, haverá a presença de uma extensão do Nutra (laboratório de aprendizagem) e do Pradies (Programa de Desenvolvimento Integral ao Educando), que darão suporte e auxílio no preenchimento das lacunas de aprendizado estabelecidas para os jovens. As atividades serão desenvolvidas como um complemento ao ensino regular.

– Estamos elaborando um projeto que irá acontecer de forma extraclasse, além do nosso Nutra, com um trabalho voltado para aquisição das habilidades mínimas de português e matemática que o aluno precisava ter (desenvolvido) nesse intervalo de tempo (referente ao ensino remoto). […] Nós temos o Nutra na secretaria de educação, onde recebemos crianças em fase de alfabetização no turno contrário, (porém,) o Nutra sozinho não dará conta dessa realidade, então nós estamos elaborando uma organização no município que terá uma extensão do Nutra em todas as escolas – afirma a secretária de Educação, Izabel Menin.

A situação é um anseio da gestão pública, que levará para frente a medida. O projeto, após consolidado, precisará ser aprovado e apenas poderá ser aplicado quando o retorno presencial for permitido.

Em seu relato, por fim, Izabel reforça o esforço realizado pelos professores, que tanto presencialmente como de forma remota, precisaram se reinventar para efetivar o ensino. A secretária, em sua fala, frisa a necessidade de respeito por parte da comunidade com esses profissionais, que desempenham seu papel na sociedade.

Assista a entrevista que abordou essas e outras temáticas referentes as aulas em Veranópolis

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Artigos relacionados

Um Comentário

  1. É bem simples de resolver, só aguardar até que a rede estadual retome as atividades presenciais e voltar uns dois dias depois. Para quem já vai para o segundo ano perdido dois ou três dias não são nada, isso eu posso garantir. O estrago já foi feito. No mais não se iludam que as aulas vão voltar e tudo vai ser uma maravilha, basta algum professor contrair o COVID que os Sindicatos vão cair matando, isso se não tivermos GREVES ou uma nova GERRA JUDICIAL. Se a Secretária não aguenta uma pressão é só pedir para sair, mas pelo visto não vai largar essa boca tão fácil. Vão voltar para em menos de um mês parar tudo novamente e assim vai essa palhaçada. Continuem votando em pessoas como o Eduardo Leite que as coisas continuaram a ir de mal à pior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Alert: Conteúdo Protegido

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios