Geral

Ação de mãe, médico e defensor público agiliza doação de órgãos de menina de 3 anos em Caxias do Sul

Ana Clara, de três anos, morreu após se engasgar com um alimento. A situação triste e repentina se transformou em um ato de solidariedade, quando os parentes decidiram doar os órgãos da menina

Segundo o Portal G1, uma família de Caxias do Sul, na Serra do Rio Grande do Sul, passou por um momento difícil no final de março. A pequena Ana Clara, de três anos, morreu após se engasgar com um alimento. A situação triste e repentina se transformou em um ato de solidariedade, quando os parentes decidiram doar os órgãos da menina.

Por não constar o nome do pai do registro da garota, a legislação só permite o transplante com decisão judicial. No mesmo dia em que foi confirmado o óbito, a mãe de Ana Clara, o médico e um defensor público viabilizaram a doação de órgãos da criança no Judiciário.

“Quando a gente ama uma pessoa, não importa. Amor não é egoísmo, e eu não queria ser egoísta naquele momento com ela”, disse Linda Bárbara, a mãe da menina.
‘Generosidade e empatia’
Ana Clara faleceu no dia 26 de março. Cinco dias antes, a caçula de três irmãos se engasgou ao se alimentar, contou a mãe, Linda Bárbara Ferreira. A menina teve morte cerebral, provocada pela falta de oxigênio.

“Foi uma rapidez, de uma criança ativa, pegar, comer e, com um susto, se engasgar. É uma coisa que a gente jamais pensou que iria acontecer na nossa vida”, relatou.

Naquele dia, o médico de plantão na UTI do Hospital Geral de Caxias do Sul era o doutor Rafael Lessa Costa. O intensivista também é o coordenador da equipe responsável pela doação de órgãos para transplantes na unidade.

“A gente precisou ir atrás da família, na casa deles, sentar com a família e explicar que talvez fosse um pouco mais demorado do que eles esperavam. Porque uma grande parte dos familiares nega a doação em virtude do longo tempo de espera para a captação dos órgãos. A família quer terminar com o sofrimento rápido, encerrar aquele luto”, explicou.

Tendo a autorização da família, mas com o problema envolvendo o registro paterno, o médico contatou a Defensoria Pública, em busca de auxílio. O caso foi atendido pelo defensor Raphael Coelho, que enviou a ação para o Judiciário.

“A dona Linda Bárbara, num momento de extrema lucidez, generosidade e empatia, me disse que era esse o desejo dela”, contou o defensor.
Do primeiro contato entre médico e defensoria até a decisão do juiz Sérgio Fusquine, se passaram apenas três horas. Com o alvará autorizando a doação, o Hospital foi novamente contatado, para realizar o procedimento.

“Houve todo um movimento, que se iniciou e foi concluído numa mesma sexta-feira, com a integração e a participação de servidores públicos dos mais diversos níveis. Todos olhando para o mesmo lugar, o mesmo caminho, para que os órgãos fossam transplantados”, comentou Raphael Coelho.

Doação de órgãos no RS

Segundo a Central de Transplantes da Secretaria Estadual da Saúde do RS, 40 pacientes com morte encefálica confirmada já foram registrados como doadores nos três primeiros meses de 2021. O número representa 24% do total de 170 pessoas falecidas por essa razão no período.

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
error: Alert: Conteúdo Protegido

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios