Geral

Conselho Tutelar acompanhava há um ano família de menino em tonel

Aos policiais, o garoto disse que, quando sentia fome, comia as próprias fezes

Segundo o Portal R7, o Conselho Tutelar Sul de Campinas, no interior de São Paulo, emitiu uma nota de esclarecimento na tarde desta segunda-feira (1º) em que nega ter desconhecimento ou ter deixado de agir sobre o caso do menino de 11 anos encontrado acorrentado dentro de um tonel.

“Na divulgação feita pela mídia da brutal violência cometida contra esta criança, tem sido dito que o Conselho Tutelar tinha conhecimento da situação e nada fez. E ISSO NÃO É VERDADEIRO”, diz o texto. De acordo com o órgão, a família recebe acompanhamento há cerca de um ano. O trabalho começou após denúncias sobre as condições de fragilidade em torno da saúde e das relações familiares da crianças.

A nota informa que “o Conselho Tutelar Sul requisitou, como é de sua atribuição, que o serviço socioassistencial correspondente a esta fragilidade fizesse o atendimento da família e vem acompanhando, há cerca de um ano, através de relatórios e reuniões, a evolução da situação tanto junto deste serviço socioassistencial, quanto junto aos serviços de saúde física e mental”.

As últimas informações informadas ao órgão, em dezembro de 2020 e janeiro de 2021, era de a situação da criança e da família vinha evoluindo bem e de maneira positiva. Logo após o resgate da criança, realizado no sábado (31), o Conselho Tutelar adotou providências necessárias para garantir os direitos e a proteção do garoto.

Na nota, o órgão faz um apelo. Pede que a população não faça circular os vídeos e fotos que expõe a criança, no intuito de preservar sua imagem e dignidade, como estabelecem o artigo 5º, inciso X da Constituição Federal e o artigo 18º do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente).

Comoção

O caso gerou comoção até mesmo entre os policiais que atuaram na ocorrência. “Essa foi a primeira vez que eu vi vários policiais chorando”, disse o tenente da PM Juliano Cerqueira à Record TV. Ele contou que, depois que o menino foi acolhido e alimentado pela equipe, perguntou a um dos policiais se poderia ficar sob sua guarda e ser adotado.

De acordo com a polícia, o pai contou que a criança foi entregue por sua mãe biológica assim que nasceu, e que moravam também na casa mãe e irmã adotivos do garoto.

O caso

De acordo com os policiais que atenderam a ocorrência, tudo começou a partir de uma denúncia anônima, de que havia uma criança trancada num cômodo de uma residência no Jardim das Andorinhas, dentro de um tonel e que estava amarrada.

Os agentes, então, foram ao local e entraram na residência. Ao vasculhar o imóvel, encontraram a criança em um cubículo e, conforme a denúncia, dentro de um tonel, acorrentada nos pés e nas mãos. O menino ficava debaixo de sol, por longos períodos, sem água ou alimentação. Por isso, estava desidratado e desnutrido. Segundo os agentes, ele está pesando cerca de 25kg.

Aos policiais, o garoto disse que, quando sentia fome, comia as próprias fezes. Conforme as informações iniciais, o pai e a irmã, que são usuários de drogas, prendiam o garoto com frequência para saírem para beber em bares da cidade.

O garoto foi retirado da casa e, em seguida, atendido pelo Samu. Logo depois dos primeiros socorros, foi encaminhado ao Conselho Tutelar da cidade.

Receba as notícias da Studio via WhatsApp

Receba as notícias da Studio via Telegram

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
error: Alert: Conteúdo Protegido

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios