You dont have javascript enabled! Please download Google Chrome!

Geral

Em uma semana, duplica a área de soja colhida no Estado

As lavouras de soja no Rio Grande do Sul estão com 39% das áreas cultivadas colhidas, o que representa mais que a duplicação em uma semana, visto na semana passada (19/03) recém 18% das áreas cultivadas havia sido colhidas. De acordo com o Informativo Conjuntural divulgado pela Emater/RS-Ascar, em parceria com a Secretaria Estadual de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr), o restante da cultura está 1% em floração, 17% em enchimento de grãos e 43% madura e por colher.

Este período foi marcado pela ocorrência de chuvas de baixo volume na maior parte do Estado e a temperatura se manteve amena durante o dia e predominou o ar seco, que deixou o tempo firme em todo RS. Essas condições têm contribuído para ampliação das perdas na cultura, exigindo que os produtores de todas as regiões recorram à cobertura de Proagro e de seguros.

De acordo com a publicação semanal, as lavouras de milho estão 3% em germinação e desenvolvimento vegetativo, 4% em floração, 13% em enchimento de grãos, 15% dos cultivos estão maduros e 65% já foram colhidos. O prolongamento da estiagem tem forçado também os produtores de milho a solicitar vistorias para comprovar as perdas e viabilizar o acesso ao seguro agrícola e ao Proagro.

Na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Pelotas, a colheita das lavouras de milho para silagem já chega a 51% da área. Em Cerrito, a colheita corresponde a 70% das áreas semeadas, e em Pelotas, a 60%. A silagem elaborada tem se mantido com qualidade inferior e com rendimentos bastante baixos, entre seis mil e oito mil quilos por hectare.

A colheita do feijão 1ª safra avança nos Campos de Cima da Serra, na regional de Caxias do Sul, onde predominam as grandes áreas cultivadas. É boa a qualidade dos grãos, e os preços em elevação animam os produtores. Na região de Pelotas, predomina a fase de colheita (74%), já concluída em Tavares, Arroio do Padre, Cerrito, Pinheiro Machado, Piratini, Canguçu, Santana da Boa Vista, Pelotas e em São Lourenço do Sul.

Na regional da Emater/RS-Ascar de Frederico Westphalen, 60% das lavouras da segunda safra de feijão estão em estágio de desenvolvimento vegetativo e 40% em floração. De maneira geral, as lavouras implantadas apresentam retardo no desenvolvimento vegetativo e os produtores têm dificuldades de fazer a aplicação de adubação nitrogenada e o controle de pragas e doenças.

OLERÍCOLAS
Com as temperaturas mais amenas e a ocorrência de chuvas na região administrativa da Emater/RS-Ascar de Santa Rosa, produtores iniciam o preparo das áreas para a implantação das hortas domésticas, com colocação de adubo químico e orgânico, revolvimento do solo, demarcação e construção dos canteiros. Entretanto, o quadro climático não reverteu a baixa oferta de hortaliças na região, provocando alta nos preços.

A entrada do outono tende a melhorar as condições de clima para o desenvolvimento das novas hortas e, assim, no final de abril, melhorar a oferta de produtos no mercado, retomando preços normais. Alguns produtores iniciaram o plantio de alho e a semeadura de cebola, para posterior replantio na área definitiva. Também ocorre o plantio de cebola em forma de bulbos para a produção de mudas, a cebola-família. Iniciou o plantio de ervilha.

É menor a oferta de mudas de olerícolas nas agropecuárias. Alguns agricultores que fornecem um número maior de olerícolas e fazem entregas a domicílio estão optando por entregar toda a produção em um único lugar, preferencialmente nas cooperativas ou fruteiras, a fim de diminuir o contato com pessoas em função da Covid-19.

FRUTÍCOLAS
Entre as frutícolas cultivadas na Regional de Santa Rosa, o abacate está em plena frutificação, com boa carga de frutos, e o caqui está em fase final de colheita. A cultura de abacaxi, predominada com cultivos da variedade Pérola, está em fase final de colheita, e alguns frutos apresentam queima pelo sol. Nogueiras estão em plena frutificação, com grande variação de carga de frutos entre as plantas. Esporadicamente, há plantas com a broca do tronco e também com antracnose, causando secagem de ramos. A cultura da banana apresenta forte emissão de clones/brotos e cachos. Laranjais estão com boa brotação nova, bergamota segue em pleno desenvolvimento e a variedade Satsuma Okitsu apresenta queima dos frutos devido à forte insolação.

PASTAGENS
A ocorrência de chuva em pequena quantidade e com distribuição irregular na semana passada alterou muito pouco o quadro nas diversas regiões do Rio Grande do Sul em relação às pastagens. Os campos nativos e as pastagens cultivadas de verão continuam predominantemente com poucos rebrotes, muito fibrosos, pouco palatáveis e com qualidade nutricional reduzida.

APICULTURA
Em todas as regiões do Estado foi boa a atividade das colmeias, mas a produção de mel é variada, dependo da maior ou menor disponibilidade de floradas.

PSICICULTURA
A diminuição continuada do nível de água dos açudes implica diretamente na redução da qualidade da água, dificultando a oxigenação e as demais condições alimentares necessárias à manutenção dos peixes.

Nas regiões da Emater/RS-Ascar de Porto Alegre e de Erechim, foram registrados alguns casos de morte de peixes criados em viveiros, causada por níveis muito baixos de água e consequente deficiência de oxigenação. Entre as medidas tomadas para prevenir a disseminação da Covid-19, em alguns municípios foram canceladas as feiras para comercialização de peixes.

Foto: Djonatan Coppetti

– Quer receber as notícias da Studio no seu WhatsApp? Então clique aqui e faça parte de nosso grupo.

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

error: Este conteúdo é protegido