You dont have javascript enabled! Please download Google Chrome!

Resenhas Studio Sports

Entre o Massacre e a Imortalidade – Flamengo 5×0 Grêmio (Copa Libertadores da América – Semifinal – volta)

É meus amigos, o sonho do Tetra naufragou em terras cariocas, na triste noite do dia 23 de outubro. Uma quarta-feira que poderia quebrar paradigmas, apenas reforçou coro ao que o Brasil inteiro tem visto: O Flamengo é momentaneamente a melhor equipe do país!

Digo momentaneamente porque o futebol nada mais é, do que com o perdão da redundância; MOMENTO!

O Rubro-Negro vem com o pé no acelerador em duas competições e caminha a passos largos para a conquista sem ressalvas do Brasileirão. Muito provavelmente deve também voltar a conquistar a América no próximo mês, em Santiago, no Chile, sobre o River Plate, caso mantenha o nível de atuação e, principalmente, as principais peças. Sim, nisso que ainda prefiro me apegar, pois ainda acredito que caso a equipe de Renato Portaluppi estivesse completa em ambas as partidas, o que se refere a participação de TODOS OS TITULARES, assim como a equipe de Jorge Jesus, o embate seria totalmente diferente, desde o jogo em Porto Alegre!

Jorge Jesus também tem jogado um balde de água fria em cima dos debates acerca da polêmica do revezamento entre titulares e reservas em competições distintas. Pontos para o maldito português!

Águas passadas…é hora de olhar para frente, reconhecer que fomos massacrados ainda no primeiro confronto na Arena, que a Imortalidade tem limites, que equívocos acontecem e que as decisões são definidas nos detalhes. O primeiro gol é prova disso.

Sempre bato na tecla de que o futebol é coletivo e vi um blogueiro fazendo uma perfeita análise do primeiro gol sofrido. Percebam: “Começa com o Maicon, que recebe um passe enforcado, mas poderia corrigir e bobeou. Passa pelo Michel que não quis fazer a falta, o Kannemann que se atira precipitadamente, e o Paulo Victor, que não toca a bola pra escanteio.”

Como não costumo exorcizar individualidades nos fracassos – diferentes de outros torcedores – e nem exaltá-los apenas nas glórias, é bom frisar que precisamos de mudanças, de forma geral. Então, vamos a elas:

Paulo Victor, quem sabe, seja o principal alvo dos torcedores no momento. O arqueiro tricolor, que até fez boas apresentações, não passa confiança há tempo na meta gremista. Temos a solução em casa. Abre o olho Direção, não precisa contratar! Megiolaro pede passagem!

Falamos tanto nos milhões que o próprio Flamengo gastou, mas buscamos André, Tardelli e Luciano no comando do ataque a preço de ouro, e fomos recompensados até o momentos com migalhas!

As laterais é outro problema que viemos questionando não é de hoje, portanto, ponto a ser tratado com urgência para a próxima temporada, sem contar na renovação do elenco de uma forma geral.

Enfim, não está tudo errado após uma derrota vexatória como esta, para um clube que joga o futebol mais eficiente do Brasil, porém, se não olharmos com atenção neste momento crucial da temporada, podemos fechar o ano sem perspectiva nenhuma e com vários problemas a resolver.

O Grêmio tem nos ensinado a pensar grande e não será uma eliminação acachapante que colocará tudo por água abaixo!

NOTAS:

Paulo Victor – Mal, mal e mal. Não pode mais fardar no Grêmio – 0,5

Paulo Miranda – Surpresa da noite, fez o que pôde pelo lado do campo – 4,5

Geromel – Primeiro tempo de qualidade. Segundo de falhas, naufragando com toda a equipe – 3,5

Kannemann – Começou o jogo tomando um cartão desnecessário. Extremamente afoito – 3,0

Cortez – Não fez nada. Nem marcou e nem jogou – 2,0

Michel – Falhou clamorosamente no primeiro gol e foi muito mal o jogo todo – 1,0

Matheus Henrique – Foi vencido pelo meio-campo adversário, talvez, por atuar de uma forma diferente da habitual – 4,0

Maicon – Jogando mais avançado, não foi nem de perto o cadenciador que conhecemos – 4,0

Alisson – Primeiro tempo de correria e entrega. No segundo, nem ele se achou mais – 4,0

Everton – De quem se espera algo diferente, quase não vimos nada, pouca companhia e muito marcado – 5,0

André – Mais do mesmo, nem tem o que falar – 1,0

Pepê – Correria habitual pelo lado do campo, mas nada de tão produtivo – 3,5

Tardelli – Deveria ter iniciado a partida. Entrou completamente perdido – 3,0

Thaciano – Pouco tempo – sem nota

Renato Portaluppi – Nada pode ser maior – 10

Nato Sangali

Imagens Grêmio FPBA, divulgação.

– Quer receber as notícias da Studio no seu WhatsApp? Então clique aqui e faça parte de nosso grupo.

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Agenda | Próximos Eventos

  1. 5º FestFlor Vila Flores

    21 novembro | 00:00 - 24 novembro | 00:00
  2. Borrachão do Sangue Frio

    30 novembro | 14:00 - 1 dezembro | 04:00

WhatsApp

error: Este conteúdo é protegido