You dont have javascript enabled! Please enable it!

Resenhas Studio Sports

Corneta saudável – Internacional 2×1 Atlético-PR (Campeonato Brasileiro – 32ª Rodada)

Parece bom, mas não é. O panorama deste domingo (04) é aquele que o torcedor colorado já está meio acostumado. Flamengo e São Paulo empataram, O Inter vencendo assumiria a vice-liderança, contra um Atlético-PR com reservas. Quem realmente conhece o time colorado, sabe que o Inter iria se atrapalhar, aquela famosa alergia a assumir a parte superior da tabela do Temerzão.

O time teve um ímpeto inicial, mas os paranaenses logo esfriaram o jogo e inclusive criaram boas jogadas contra a meta do Lomba, vale ressaltar, com os reservas. O time muito bem postado e com contra-ataque vertical, baita trabalho do Tiago Nunes.

O Inter sempre sente muito a falta de Dourado e Edenilson de maneira individual, imagine quando ambos não jogam. Gabriel Dias tomou sufoco o jogo inteiro, a zaga foi constantemente ameaçada, e a transição ofensiva do time (fato que originou grande parte dos gols no campeonato), era claramente desacelerada, e D’Alessandro deslocado para parte lateral para criar, não é o mesmo que quando centralizado.

Tomamos o famoso gol cagado, bola desviada, mas o poder de indignação foi instantâneo. Odair colocou o time pra frente, Moledo que antes havia desviado a bola contra a meta se redimiu e, no apagar das luzes, o Rossi louco sofreu o penal (a mesma imprudência que o Cuesta teve contra o Vasco), o Márcio Azevedo teve, e o D’Ale converteu e garantiu os três pontos e a vice-liderança pro Colorado.

Jogando bem ou mal, importante é pontuar. Prefiro jogar mal e ganhar do que amassar o jogo todo e sair sem os três pontos.

NOTAS:

Lomba – Foi traído pelo desvio do Moledo no lance do gol – 8,0

Fabiano – Esforçado, não é o suficiente – 6,0

Moledo – Foi bastante exigido durante o jogo e correspondeu. Coroado com o gol de empate – 7,5

Cuesta – Igual Moledo, volância colorada não acabava com os ataques paranaenses – 7,5

Iago – Primeiro tempo bom, segundo não repetiu, infelizmente – 6,5

Gabriel Dias – Estava fantasiado de Bressan, assustando todo mundo – 5,0

Patrick – Jogou recuado, mais atacou do que recompôs, mas não foi o Patrick do início do campeonato, novamente – 6,0

D’Alessandro – Se doou do início ao fim, deslocado da função que acho que rende mais – 8,0

Juan Alano – Foi bem no jogo, criou situações de 1×1 e venceu a maioria – 7,0

Nico López – Sempre perigoso, cresceu com a queda de rendimento do Patrick – 8,0

Damião – Se esforçou, saiu exausto, presença de área – 7,0

Wellington Silva – Mesmo cruzando todas bolas para anão, foi vertical e deu ímpeto ao time – 7,5

Pottker – Prende demais a bola, as vezes mete o Pelé e não é pra tanto – 6,0

Rossi – Sanguíneo, entra e agita. Cavou o penal da vitória – 7,0

Odair Hellmann – Demorou pra colocar o time pra frente, mas colocou. Teimoso que nem uma mula – 7,0

Nata Frainer

Quer receber as notícias da Studio no seu WhatsApp? Então clique aqui.

A Rádio Studio não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

error: Este conteúdo é protegido